Lei Alemã de Concorrência (GWB)
Home Artigos Lei Alemã de Concorrência (GWB) e Lei dos Mercados Digitais (DMA): Uma análise comparativa

Lei Alemã de Concorrência (GWB) e Lei dos Mercados Digitais (DMA): Uma análise comparativa

A Lei Alemã de Concorrência (GWB) e a Lei dos Mercados Digitais (DMA) foram implementadas na Alemanha e na UE, respectivamente, para regular os mercados digitais. Elas resultam de preocupações sobre a posição dominante no mercado e a privacidade do usuário. Exploramos suas semelhanças e diferenças.
pela Usercentrics
junho 11, 2024
Lei Alemã de Concorrência (GWB)
Table of contents
Mostrar mais Mostrar menos

As dinâmicas de negócios digitais estão se tornando cada vez mais complexas, com grandes empresas de tecnologia que estão utilizando um poder de mercado significativo e levantando preocupações sobre concorrência justa e privacidade do usuário. Para resolver estas questões, tanto a Alemanha como a União Europeia introduziram uma legislação para regular os mercados digitais.

 

Na Alemanha, a “Gesetz gegen Wettbewerbsbeschränkungen (GWB)”, também conhecida como Lei Alemã de Concorrência, está em vigor há mais de meio século, embora tenha sido alterada muitas vezes, com o último ajuste feito em julho de 2023. A Comissão Europeia promulgou mais recentemente a Lei dos Mercados Digitais (DMA) como parte dos seus esforços para criar um ecossistema digital justo e competitivo. Ela foi aprovada em 2022.

Introdução à Lei Alemã de Concorrência (GWB)

A Lei Alemã de Concorrência, também conhecida como GWB ou a “Lei alemã contra restrições de concorrência”, é um quadro jurídico abrangente que visa prevenir comportamentos anticoncorrenciais e garantir uma concorrência comercial leal na Alemanha. Está em vigor desde a década de 50 e passou por 11 alterações para se adaptar ao cenário empresarial em evolução, em especial a evolução para mais produtos e serviços digitais. A GWB abrange vários aspectos do direito da concorrência, incluindo fusões e aquisições, abuso de poder de mercado e acordos de cartel.

Objetivos da Lei Alemã de Concorrência

 

Os principais objetivos da Lei Alemã de Concorrência são promover uma concorrência leal, proteger os interesses dos consumidores e prevenir o abuso do poder de mercado por parte das empresas dominantes. O objetivo é criar um campo de atuação de nível para as empresas e evitar práticas anticompetitivas que possam prejudicar os consumidores ou sufocar a inovação. A Lei de concorrência desleal da Alemanha também busca garantir que as empresas cumpram as regras de concorrência e enfrentem penalidades por violações.

Principais disposições da Lei Alemã de Concorrência

 

A Lei Alemã de Concorrência contém várias disposições que regulam vários aspectos do direito da concorrência, que se concentram no controle da posição dominante no mercado.

Controle das operações

 

A GWB fornece um quadro para o controle e a regulamentação de fusões e aquisições para evitar a consolidação excessiva e a criação de posições de mercado dominantes que possam prejudicar a concorrência. As empresas devem notificar as autoridades relevantes sobre as fusões ou aquisições propostas acima de determinados limites, a fim de passar por um processo de revisão.

Abuso do poder de mercado

 

A Lei alemã contra a concorrência desleal proíbe as empresas de abusar de posições de mercado dominantes para sufocar a concorrência. A lei proíbe práticas como preços predatórios, recusa de negociação, venda casada e comportamento discriminatório. A lei também fornece diretrizes sobre o que constitui um abuso de poder de mercado e as consequências para as empresas consideradas culpadas por tais práticas.

Acordos de cartel

 

A Lei Alemã de Concorrência proíbe acordos de cartel, que são acordos entre concorrentes para fixar preços, alocar mercados ou restringir a produção. Tais acordos são considerados anticompetitivos e prejudiciais à concorrência no mercado. A GWB impõe multas e outras penalidades a empresas envolvidas em atividades de cartel.

Introdução à Lei dos Mercados Digitais (DMA)

A Lei dos Mercados Digitais (DMA) é um quadro regulamentar introduzido pela Comissão Europeia para enfrentar os desafios colocados pela dominância das grandes plataformas digitais e promover uma concorrência leal no setor digital. Faz parte dos esforços mais amplos da UE para regular os mercados digitais e proteger os interesses dos consumidores. A DMA visa especificamente empresas que têm um impactos significativo no mercado e atuam como gatekeepers, controlando o acesso a serviços digitais, seus públicos e os dados que geram.

Objetivos da Lei dos Mercados Digitais (DMA)

 

Os principais objetivos da Lei dos Mercados Digitais são garantir uma concorrência leal, proteger os direitos e a privacidade dos consumidores e promover a inovação no setor digital. A lei tem como objetivo regular o comportamento de grandes plataformas digitais e impedir que elas se envolvam em práticas anticompetitivas. A DMA também procura capacitar os usuários, aumentando seu controle sobre seus dados pessoais e garantindo a transparência em relação às práticas comerciais e ao processamento de dados.

Principais disposições da Lei dos Mercados Digitais

 

A Lei dos Mercados Digitais contém várias disposições que visam regular o comportamento das empresas gatekeepers e promover uma concorrência leal.

Definição de gatekeepers

 

A DMA define gatekeepers como empresas que têm um impactos significativo no mercado e agem como intermediários entre empresas e consumidores. A Comissão Europeia definiu critérios para determinar se uma empresa se qualifica como gatekeeper, incluindo fatores como a quota de mercado, a base de utilizadores e o controlo do acesso aos serviços digitais.

Obrigações para gatekeepers

 

A DMA impõe obrigações específicas a gatekeepers para assegurar uma concorrência leal, promover a inovação e a escolha e proteger os direitos dos consumidores. Essas obrigações incluem o fornecimento de acesso a seus serviços em termos justos e não discriminatórios, a interoperabilidade com serviços de terceiros e a garantia da transparência em suas práticas. Os gatekeepers também devem compartilhar dados com empresas e usuários mediante solicitação.

Medidas corretivas e penalidades

 

A Lei dos Mercados Digitais prevê medidas corretivas e penalidades em caso de não conformidade com suas disposições. Ela capacita as autoridades regulatórias a impor multas e outras sanções aos gatekeepers que violem a DMA. A Lei também permite que recursos estruturais, como alienações ou recursos comportamentais, abordem práticas anticompetitivas.

Semelhanças e diferenças entre a Lei Alemã de Concorrência e a Lei dos Mercados Digitais

Lei Alemã de Concorrência Lei dos Mercados Digitais
Escopo e aplicabilidade
  • Concentra-se principalmente no direito da concorrência
  • Abrange uma ampla variedade de setores e setores
  • Aplica-se a empresas que operam na Alemanha
  • Alcance extraterritorial em certos casos
  • Não limitada ao setor digital
  • Abrange todos os aspectos do direito da concorrência
  • Tem como alvo específico o setor digital
  • Tem como objetivo regular grandes plataformas digitais que atuam como gatekeepers
  • Concentra-se nas empresas que têm um impactos significativo no mercado e controle o acesso aos serviços digitais
  • Aplica-se às empresas que operam na União Europeia e no espaço Econômico Europeu
  • Escopo mais limitado em comparação com a Lei Alemã de Concorrência
Objetivos e princípios Tem como objetivo:

  • promover uma concorrência justa
  • proteger os interesses dos consumidores
  • prevenir o abuso de poder de mercado
  • criar um campo de atuação de nível para as empresas
  • garantir que as regras de concorrência sejam seguidas

Princípios da GWB:

  • transparência do mercado
  • bem-estar do consumidor
  • eficiência econômica
Tem como objetivo:

  • promover uma concorrência justa
  • proteger os consumidores
  • incentivar a inovação

No entanto, a DMA resolve especificamente os desafios impostos pelas plataformas digitais e procura regular o seu comportamento para garantir um nível de jogo e proteger os direitos dos utilizadores.

Princípios da DMA:

  • capacitação do usuário
  • transparência
  • não discriminação
Principais disposições e obrigações Regulamento de vários aspectos do direito da concorrência, incluindo:

  • controle das operações
  • abuso de poder de mercado
  • acordos de cartel

Impõe obrigações às empresas para cumprir as regras de concorrência ou enfrentar penalidades por violações.

Aplica-se a todos os setores da economia, não apenas aos mercados digitais.

Introduz disposições e obrigações específicas para as empresas gatekeeper que operam no setor digital, incluindo:

  • fornecer acesso a serviços em termos justos
  • permitir interoperabilidade com serviços de terceiros
  • garantir a transparência nas práticas

Os gatekeepers também devem compartilhar dados com empresas e usuários terceirizados que utilizam suas plataformas e serviços. A DMA também capacita as autoridades regulatórias a impor multas e outras sanções por não conformidade.

Gerenciamento de consentimento A alteração de janeiro de 2021 à GWB confere ao Bundeskartellamt (autoridade de concorrência da Alemanha) o poder de examinar as práticas de processamento de dados das empresas que operam na Alemanha.

Isso inclui analisar como as empresas coletam e processam dados de usuários e se fornecem aos usuários opções e transparência suficientes para criar perfis para segmentação de anúncios.

Sob a GWB, a incorporação do gerenciamento de consentimento em sites, aplicativos e plataformas digitais é essencial para proteger a privacidade do usuário, promover a transparência e permitir o controle do usuário sobre dados pessoais.

O gerenciamento de consentimento desempenha um papel crucial na DMA, pois introduz critérios para determinar se uma empresa detém uma posição de mercado dominante, incluindo volume e relevância de dados e acesso aos recursos.

A DMA proíbe práticas preferenciais entre gatekeepers para seus próprios serviços, impedindo o acesso ao mercado e distorcendo a concorrência por meio do processamento de dados. A lei visa garantir que o consentimento do usuário seja respeitado e que as práticas de processamento de dados não violem as leis de privacidade ou impeçam a concorrência leal.

Considerações finais sobre GWB e DMA

A Lei Alemã de Concorrência e a Lei dos Mercados Digitais são medidas regulamentares significativas destinadas a garantir uma concorrência leal e a abordar preocupações na economia digital.

 

O gerenciamento de consentimento é crucial em ambos os atos para proteger a privacidade do usuário, promover a transparência e permitir que os usuários tenham controle sobre seus dados pessoais.

 

A recente notícia do Google que concorda em reformar suas práticas de processamento de dados após a intervenção antitruste alemã destaca a importância crescente de incorporar o gerenciamento de consentimento às práticas comerciais e, mais especificamente, às operações de marketing, à luz das leis de privacidade de dados. Ao fazer isso, estamos criando um ecossistema digital próspero que respeita os direitos do usuário e promove uma concorrência saudável.

Comece sua avaliação gratuita de 30 dias hoje mesmo

Descubra como a Usercentrics pode ajudar você a se preparar para a Lei dos Mercados Digitais.

Artigos Relacionados

The-Digital-Markets-Act-and-legal-compliance

A Lei dos Mercados Digitais e a conformidade jurídica: Um guia para empresas que usam os principais serviços de plataforma

A Lei dos Mercados Digitais (DMA) define novas regras para gatekeepers de tecnologia, que também afetam as empresas...

uc_lp_hero_500px_checklist_website_builders_blue_01

Como tornar o seu website compatível com a Lei dos Mercados Digitais (DMA)

Garantir a conformidade com normas de proteção de dados, como o RGPD, é crucial para os proprietários de sites....